companhias

Liberty e OPIC lançam acordo de US$ 1 bi para investimento em mercados emergentes

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

O governo corre contra o tempo para atrair investidores para projetos de infraestrutura no Brasil. São bilhões em jogo, que atraem a atenção de investidores do mundo todo. Todos sabem, porém, que é preciso ter uma economia estável, segurança jurídica, bons projetos com custo viável para os investidores. Neste cenário, uma boa notícia. O Overseas Private Investment Corp. e a Liberty Mutual Insurance Co. lançaram em novembro um acordo de US$ 1 bilhão para facilitar o investimento do setor privado em mercados emergentes.

A OPIC é uma agência federal independente com sede em Washington que ajuda empresas dos EUA a investir em mercados emergentes designados. Ele faz isso, entre outras coisas, fornecendo seguro de risco político para empresas dos EUA que operam em 160 países em desenvolvimento e pós-conflito. “Esta nova e inovadora plataforma de co-investimento é um marco importante nos esforços da OPIC para mobilizar capital privado para promover as metas de financiamento do desenvolvimento do governo dos EUA por meio de investimentos que impulsionam o crescimento econômico, constroem infraestrutura crítica e empoderam mulheres em todo o mundo em desenvolvimento”, informou a OPIC em um comunicado divulgado em meados de novembro deste ano.

Segundo o documento, este é o primeiro acordo da OPIC com uma companhia de seguros dos EUA para compartilhar o risco de crédito em um portfólio global de novos empréstimos originados pela OPIC para bancos comerciais e outras instituições financeiras não-bancárias.

Para a Liberty Mutual, a parceria com a OPIC é parte de uma iniciativa estratégica maior voltada para o desenvolvimento de parcerias de longo prazo com instituições internacionais de desenvolvimento que podem trazer diversificação significativa para sua carteira de crédito e acesso a novos mercados. “A Liberty Mutual está totalmente comprometida em fornecer produtos de seguro de risco e crédito político de forma global”, comentou Peter Sprent, diretor de soluções financeiras de risco da Liberty Specialty Markets (LSM), em Londres, na nota divulgada. “A parceria com agências públicas como a Overseas Private Investment Corp. é uma maneira importante de nos aproximarmos desse mercado. Nós nos beneficiamos dos altos padrões de due diligence da OPIC – incluindo salvaguardas ambientais e trabalhistas – e monitoramento de crédito ”.

David Bohigian, vice-presidente executivo da OPIC, comentou no comunicado: “Essa plataforma de bilhões de dólares é um marco significativo na criação de abordagens inovadoras para catalisar o capital do setor privado para enfrentar os desafios globais.”

O comunicado diz que, em conjunto com o lançamento da plataforma de co-investimento, mais de US$ 235 milhões de financiamento estão sendo implantados em várias instituições financeiras que operam na América Central, América do Sul e África. “Os especialistas da OPIC criarão, financiarão e monitorarão a qualidade de crédito e o impacto no desenvolvimento – inclusive trabalhista, direitos humanos, impacto social, de gênero e ambiental – ao longo da vida dos projetos e a Liberty assumirá um risco significativo nos empréstimos que fazem parte do projeto”, finaliza o comunicado.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário