carreira mercado

Insurtech de celular Pitzi contrata Thiago Machado, ex-diretor da Sura

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

A insurtech Pitzi anuncia a chegada de Thiago Machado, ex-diretor comercial de massificados da Seguros SURA. Machado será responsável por liderar o crescimento, identificando oportunidades de aproveitar as tecnologias e infraestrutura da empresa para solucionar dores importantes para seguradoras e dos distribuidores dos serviços delas.

Segundo o grupo, a startup opera programas de seguro de celular em mais de cinco seguradoras no Brasil. O crescimento abriu uma nova vaga e “acreditamos que Thiago Machado é exatamente o tipo de líder que consegue construir e fortalecer a parceria da Pitzi com a indústria de seguros e acelerar a transformação e inovação no setor”, informa nota distribuída pelo grupo.

“A Pitzi é parte chave de uma onda inevitável de inovação que vai transformar o mundo de seguros nos próximos anos, com varejistas, seguradoras e beneficiando bastante os consumidores. Estou feliz em poder acelerar esses novos desenvolvimentos”, afirma Machado na nota.

Thiago Machado está se juntando a Pitzi vindo da Seguros SURA, onde manteve diversas posições de liderança na área comercial de seguros massificados. Antes da Sura, Machado atuou nas seguradoras Royal Sun Alliance e ACE entre 2004 e 2016.”A experiência do Thiago trabalhando com programas de seguros massificados será fundamental à nossa missão crítica de expandir e fazer parcerias estratégicas e impactantes com seguradoras com objetivo de transformar a indústria”, afirma Daniel Hatkoff, fundador e CEO da Pitzi.

Segundo informações colhidas pelo blog Sonho Seguro, há aproximadamente cerca de 4 milhões de apólices de celulares vendidas no Brasil. Um número irrisório para os mais de 220 milhões habilitados. No entanto, o seguro enfrenta muitas queixas de usuários, que acabam recorrendo aos órgãos de defesa do consumidor para resolver conflitos. Entre os principais está a falta de entendimento sobre furto qualificado e furto simples. Geralmente as apólices vendidas no setor não dão cobertura para furto simples, que é aquele no qual o bem desaparece em deixar marcas de violência no proprietário.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário