Catástrofes naturais somam US$ 210 bi; US$ 82 bi foram indenizados por seguradoras em 2020

catástrofes

Os desastres naturais deste ano ceifaram cerca de 8.200 vidas

As perdas globais com desastres naturais em 2020 chegaram a US$ 210 bilhões, dos quais cerca de US$ 82 bilhões estavam segurados. Tanto as perdas gerais quanto as seguradas foram significativamente maiores do que no ano anterior (2019: US$ 166 bilhões e US$ 57 bilhões, respectivamente), segundo estudo divulgado nesta quinta-feira pela Munich Re. Leia mais sobre o estudo no portal da Munich Re.

As perdas por catástrofes naturais em 2020 foram significativamente maiores do que no ano anterior. Números recordes para muitos perigos relevantes são motivo de preocupação, quer estejamos falando sobre a temporada de furacões severos, grandes incêndios florestais ou a série de tempestades nos EUA. A mudança climática terá um papel cada vez maior em todos esses perigos. Há cinco anos, em Paris, a comunidade global estabeleceu como meta manter o aquecimento global bem abaixo de 2 ° C. É hora de agir”, comentou Torsten Jeworrek, membro do conselho do grupo alemão.

A participação dos EUA nas perdas foi bastante alta: Desastres naturais nos EUA foram responsáveis ​​por US$ 95 bilhões (2019: US$ 51 bilhões) de perdas totais e US$ 67 bilhões de perdas seguradas (2019: US$ 26 bilhões). Os desastres naturais deste ano ceifaram cerca de 8.200 vidas. No geral, a parcela não segurada das perdas por desastres naturais em 2020 foi de cerca de 60%.

Mais uma vez, foi notável que apenas uma pequena parte das perdas foi segurada nas economias em crescimento da Ásia. O desastre natural mais caro do ano foram as severas inundações na China durante as chuvas de monções de verão. As perdas totais com as enchentes somaram aproximadamente US$ 17 bilhões, dos quais apenas 2% estavam segurados. Soluções de seguro do setor privado ou na forma de parcerias público-privadas poderiam ajudar a melhorar a resiliência, em outras palavras, a capacidade de retornar à vida normal o mais rápido possível.

Cinco anos após o Acordo do Clima de Paris, 2020 continuou a série de anos muito quentes. A temperatura média global (janeiro a novembro) em 2020 foi cerca de 1,2 ° C mais alta do que os níveis pré-industriais (1880–1900) – apenas 0,01 ° C antes de 2016, o ano mais quente já registrado. As regiões ao norte do Círculo Polar Ártico experimentaram um aumento acentuado na temperatura, mais de duas vezes maior que o aumento médio global. Em partes do norte da Sibéria, ocorreram incêndios florestais extensos e temperaturas de mais de 30 ° C.

Ernst Rauch, Chefe do Clima e Geocientista da Munich Re, comentou o seguinte: “Mesmo que os desastres climáticos em um ano não possam estar diretamente relacionados às mudanças climáticas e um período mais longo precise ser estudado para avaliar sua importância, esses valores extremos se encaixam com as consequências esperadas de uma tendência de aquecimento de décadas para a atmosfera e os oceanos que está influenciando os riscos. Um número crescente de ondas de calor e secas estão alimentando incêndios florestais, e ciclones tropicais severos e tempestades estão se tornando mais frequentes. A pesquisa mostra que eventos como as ondas de calor deste ano no norte da Sibéria são 600 vezes mais prováveis ​​de ocorrer do que antes. ”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui