Uncategorized

SulAmérica emite R$ 500 milhões em debêntures

Na leitura das notícias internacionais de seguros da quarta-feira, pela manhã, li no site da Reactions que o ING havia finalizado a venda de ativos na América Latina. Corri para ver, com o coração na mão, para checar se tantos boatos envolvendo a venda da participação do grupo holandês na SulAmérica para a francesa AXA eram verdadeiros. No entanto, falava da venda das operações de vida e previdência na Colômbia para o Grupo de Inversiones Suramericana (Gruposura). No final da noite, vejo esse comunicado de emissão de R$ 500 milhões em debêntures. Bem, vamos aguardar.

Comunicado ao Mercado

SULAMÉRICA S.A. (BM&FBovespa: SULA11) (”Companhia”), em atendimento ao disposto no artigo 157, §4º da Lei 6.404/76 e ao disposto na Instrução CVM 358/05, vem informar aos seus acionistas e ao mercado em geral que seu Conselho de Administração aprovou, nesta data, a realização da primeira emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, em Série Única, de emissão da Companhia, no montante total de R$500.000.000,00 (quinhentos milhões de reais) para distribuição pública com esforços restritos de colocação, nos termos da Instrução CVM 476/09 (“Oferta Restrita” e “Debêntures”, respectivamente).

Serão emitidas 50.000 (cinquenta mil) Debêntures, com valor nominal unitário de R$10.000,00 (dez mil reais). Para todos os efeitos legais, a data de emissão das Debêntures será 6 de fevereiro de 2012 (“Data de Emissão”). As Debêntures terão prazo de vencimento de 5 (cinco) anos contados a partir da Data de Emissão, vencendo-se, portanto, em 06 de fevereiro de 2017.

O valor nominal das Debêntures será amortizado em três parcelas anuais e sucessivas a partir do terceiro ano da sua emissão e farão jus ao pagamento de juros remuneratórios, pagos semestralmente, correspondentes a 100% (cem por cento) da variação acumulada das taxas médias diárias dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, “over extra-grupo”, acrescida de sobretaxa, a ser definida de acordo com o Procedimento de Bookbuilding, e, em qualquer caso, limitada a 1,35% ao ano.

Os recursos líquidos obtidos pela Companhia com a emissão das Debêntures serão destinados para: (i) suprir necessidades de caixa decorrentes da expansão das operações da Companhia e/ou de qualquer sociedade controlada, direta ou indiretamente pela Companhia; (ii) reconstituir o caixa após a liquidação de dívida financeira; e (iii) objetivos corporativos gerais.

A Oferta Restrita está automaticamente dispensada de registro de distribuição pública na CVM, nos termos do artigo 6º da Instrução CVM nº 476/09.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

1 comentário

  • Está parecendo que a Sulamerica vai mesmo comprar a parte do ING e não fazer nenhuma aquisiçao.Só nao sei se ela consegue ficar sozinha no mercado, sem um “parceiro”como era o BB

Deixar um comentário