Seguradoras indenizaram US$ 117 bilhões por catástrofes em 2023, informa Swiss Re

A catástrofe natural mais destrutiva do ano foi o terramoto na Turquia e na Síria, em Fevereiro, com perdas seguradas estimadas em US$ 6,2 bilhões

US$ 291 bilhões em perdas econômicas causadas por 332 catástrofes em 2023, com 76 mil vítimas. Deste valor, o mercado de seguros indenizou US$ 117 bilhões. As catástrofes naturais responderam por US$ 280 bilhões das perdas econômicas, principalmente, pelo terremoto devastador na Turquia e na Síria, fortes tempestades (SCS) e inundações urbanas em grande escala, que resultaram em indenizações de US$ 108 bilhões no ano passado. As catástrofes feitas pelo homem resultaram em perdas de US$ 11 bilhões e US$ 9 bilhões em indenizações.

Este é o resultado do levantamento anual feito pelo Instituto Swiss Re. Segundo o estudo, as perdas seguradas poderão duplicar nos próximos dez anos, à medida que as temperaturas subirem e os eventos climáticos extremos se tornarem mais frequentes e intensos. Portanto, medidas de mitigação e adaptação são fundamentais para reduzir o risco de catástrofes naturais.

As perdas seguradas globais decorrentes de catástrofes naturais ultrapassaram o crescimento econômico global nos últimos 30 anos. De 1994 a 2023, as perdas seguradas ajustadas pela inflação decorrentes de catástrofes naturais foram em média 5,9% ao ano, enquanto o PIB global cresceu 2,7%. Por outras palavras, nos últimos 30 anos, o peso das perdas relativas em comparação com o PIB duplicou.

“Mesmo sem uma tempestade histórica da escala do furacão Ian, que atingiu a Flórida no ano anterior, as perdas globais por catástrofes naturais em 2023 foram graves. Isto reconfirma a tendência de perdas de 30 anos que está ocorrendo. A acumulação de ativos em regiões vulneráveis a catástrofes naturais tem sido impulsionada pela acumulação de activos em regiões vulneráveis a catástrofes naturais”, comentou Jérôme Jean Haegeli, economista-chefe do grupo Swiss Re.

“No futuro, contudo, devemos considerar algo mais: a intensificação dos riscos relacionados com o clima. Tempestades mais violentas e inundações maiores alimentadas pelo aquecimento do planeta deverão contribuir mais para as perdas. Isto demonstra quão urgente é a necessidade de ação, especialmente quando se leva em conta a inflação estruturalmente mais elevada que fez com que os custos pós-desastre disparassem”, acrescentou o economista em nota sobre a divulgação do estudo.

Moses Ojeisekhoba, CEO de Clientes e Soluções Globais da Swiss Re, afirmou que “à medida que os riscos climáticos se intensificam devido às mudanças climáticas, a avaliação de risco e os prêmios de seguro precisam acompanhar o cenário de risco em rápida evolução. Olhando para o futuro, devemos nos concentrar na redução das perdas”.

2023 foi o ano mais quente já registado e o início de 2024 está a seguir o exemplo. Manter o seguro patrimonial sustentável e acessível requer um esforço concertado por parte da indústria privada, do setor público e da sociedade em geral – não apenas para mitigar os riscos climáticos, mas para se adaptar a um mundo de clima mais intenso, destaca o CEO.

Terremoto: principal causa de perdas em 2023

A catástrofe natural mais destrutiva do ano foi o terramoto na Turquia e na Síria, em Fevereiro, com perdas seguradas estimadas em US$ 6,2 bilhões. O ano de 2023 também foi marcado por uma alta frequência de eventos, já que 142 catástrofes naturais seguradas estabeleceram um novo recorde. A maioria foi de gravidade média, resultando em perdas de US$ 1 a 5 bilhões. Houve pelo menos 30 eventos deste tipo em 2023, muito mais do que a média dos dez anos anteriores (17). Desses eventos, 21 foram tempestades, um novo recorde. O número destes eventos de gravidade média cresceu 7,5% desde 1994, quase o dobro do aumento de 3,9% nas catástrofes em geral.

Depois dos ciclones tropicais, as tempestades severas estabeleceram-se como o segundo maior perigo gerador de perdas devido às exposições causadas pela urbanização e pelo crescimento económico e populacional. As tempestades de granizo são, de longe, o principal contribuinte para as perdas seguradas, responsáveis por 50-80% de todas as perdas seguradas causadas por SCS, termo genérico para uma série de perigos, incluindo tornados, ventos em linha reta e grandes pedras de granizo.

SCS são eventos climáticos frequentemente observados que se desenvolvem quando o ar quente e úmido sobe da superfície da Terra para as camadas superiores da troposfera, levando à formação de nuvens altas, relâmpagos e trovões. Enquanto isso, parcelas de ar frio chegam à superfície da Terra, trazendo fortes rajadas de vento, chuva ou até mesmo granizo. As perdas seguradas globais da SCS acumularam um novo recorde de 64 mil milhões de dólares a nível mundial em 2023, 85% originadas nos EUA.

As perdas seguradas relacionadas com o SCS registaram o crescimento mais rápido na Europa, ultrapassando os 5 mil milhões de dólares em cada um dos últimos três anos. O risco de granizo, em particular, está a aumentar, principalmente na Alemanha, Itália e França.

O aumento da exposição devido ao crescimento econômico e populacional, à urbanização e à acumulação de riqueza continua a ser a principal força por detrás do aumento das perdas relacionadas com o SCS, e os efeitos das alterações climáticas deverão exacerbar a tendência. Outro fator são as mudanças nas vulnerabilidades de exposição, como o rápido crescimento das instalações de sistemas de energia solar nos telhados.

O primeiro passo para reduzir as perdas é reduzir o potencial de perdas através de medidas de adaptação, como a aplicação de códigos de construção, a construção de barreiras de proteção contra inundações e o desencorajamento do assentamento em áreas propensas a perigos naturais. Além disso, uma colaboração com seguradoras primárias, associações de seguros e o setor público permite uma troca de dados que é fundamental para a mitigação partilhada de riscos.

Denise Bueno
Denise Buenohttp://www.sonhoseguro.com.br/
Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Valor 1000, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista do InfoMoney e do SindSeg-SP. Foi articulista da Revista Apólice. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalização entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil. Recebeu, por 12 vezes, o prêmio de melhor jornalista de seguro em concursos diversos do setor e da grande mídia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Ouça nosso podcast

ARTIGOS RELACIONADOS