Expectativa de nova alta da Selic é destaque na análise das projeções da CNseg

A mensagem dada pelo Copom para a próxima reunião é que poderá ocorrer outro aumento da mesma magnitude

Priscila Aguiar, economista do CEM - Comissão Estudos de Mercado da CNseg

A mediana das estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 6,79% para 6,88% no Boletim Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira, 9. Trata-se da 18ª semana consecutiva de aumento da projeção do índice. Para 2022, houve ligeira alta na mediana do IPCA, de 3,81% para 3,84%. Uma maior expectativa de inflação e a alta de um ponto percentual na Selic, promovida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), traz nova revisão na expectativa dos analistas ouvidos. As medianas para a taxa Selic ao fim deste ano, e para o fim de 2022, subiram de 7% ao ano para 7,25% ao ano. “O mais importante foi a mensagem para a trajetória futura dos juros, considerando o atual cenário inflacionário. A mensagem foi dada e para a próxima reunião, prevista para setembro, o Comitê prevê que poderá ocorrer outro aumento da mesma magnitude”, explica Priscila Aguiar, economista da CEM – Comissão de Estudos de Mercado da CNseg.

A economista destaca também um outro ponto abordado na declaração do Copom. “O Comitê chamou atenção para a sustentabilidade da dívida pública, que mesmo com a recente melhora dos indicadores, o risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária”. Segundo o boletim da CNseg, a inflação tem se mostrado mais persistente e mais disseminada com a continuidade da pressão sobre os bens industriais. Além disso, os serviços surpreendem com altas acima do esperado, além da pressão de componentes como a elevação da bandeira tarifária e novos aumentos nos preços de alimentos, em virtude das condições climáticas adversas.

A mediana das estimativas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano permaneceu em 5,30%. Para 2022, a projeção permaneceu diminuiu de 2,10% para 2,05%. Quanto ao câmbio, a mediana das previsões para o fim de 2021 ficou estável em R$ 5,10. Para o fim de 2022, a mediana permaneceu em R$ 5,20.

Leia a íntegra do boletim Acompanhamento de Expectativas Econômicas semanal feito pela Superintendência de Estudos e Projetos (Suesp) da CNseg, no portal de CNseg.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui