Conheça as 11 insurtechs selecionadas pela Susep no sandbox regulatório

Foram analisados 14 projetos inscritos no processo para chegar aos 11 selecionados. A MAG, de Helder Molina, e a ThinkSeg, de Andre Gregori (foto), são duas delas

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) divulgou as 11 insurtechs com os projetos selecionados para participar do Sandbox Regulatório. A partir de agora, as empresas poderão atuar, por até três anos, com menor custo regulatório e mais flexibilidade para inovar.

O Sandbox Regulatório é um ambiente experimental constituído com condições especiais, limitadas e exclusivas que não representem barreiras à inovação. O ambiente tem como objetivo reduzir os custos e facilitar os processos para os consumidores, com foco na melhoria da experiência do usuário.

São 11 os projetos que propõem novas tecnologias ou processos inovadores para o mercado de seguros brasileiro, modernizando o setor e trazendo recursos simples para os usuários, possibilitando, por exemplo, novos produtos e formas de contratação, cancelamento e recebimento de indenizações. 

Rafael Scherre, diretor técnico da autarquia, explica que uma das principais ações da Susep dentro da construção do novo marco regulatório do setor de seguros é a redução de barreiras à entrada, o que aumenta a concorrência e cria um ambiente mais amigável à inovação. “O Sandbox Regulatório é uma iniciativa fundamental nesse contexto. Esperamos resultados que beneficiem diretamente a vida dos consumidores, com produtos e serviços mais simples, de fácil uso e mais intensivos em tecnologia”, afirma.

Foram analisados 14 projetos inscritos no processo para chegar aos 11 selecionados. Segundo o diretor técnico Eduardo Fraga, “foram selecionadas propostas de modelos de negócios com várias características aderentes ao ambiente regulatório experimental e que vão ao encontro do seu efetivo objetivo, que é possibilitar, sob a supervisão da Susep, a introdução de novos serviços, novas formas de prestar serviços tradicionais no mercado de seguros ou novos produtos, sempre com foco no benefício ao consumidor e sua experiência com seguro e, dessa forma, aumentar sua cobertura e a penetração no país”.

Os seguros a serem oferecidos incluem tabletssmartphones e dispositivos portáteis; automóveis; animais domésticos; acidentes pessoais; funeral; residência e estabelecimentos comerciais. Haverá oferta de seguros intermitentes, utilizados sob demanda, bem como seguros paramétricos para desastres, de acordo com alertas das autoridades públicas de cada estado.

Será possível, por exemplo, contratar ou cancelar os seguros facilmente ou fazer vistorias remotamente. Além disso, a plataforma PIX (Banco Central do Brasil) será utilizada para transferência de recursos. Algumas das tecnologias envolvem o uso de inteligência artificial de forma ampla em várias etapas do processo, tais como aceitação de risco, sugestão de cobertura e detecção de fraudes; blockchain para registro de todos os eventos da apólice ou bilhete; modelos estatísticos e algoritmos de machine learning.

Alguns modelos de negócio são baseados em grupos fechados, no qual cada membro deve ser convidado por alguém que já faça parte do grupo. Em alguns casos, a lógica de remuneração é invertida, com taxas fixas para a seguradora e distribuição de bonificações para os segurados (cashback).

Além de permitir a introdução de produtos e processos inovadores no mercado de seguros brasileiro, o Sandbox Regulatório é, também, um aprendizado para o órgão regulador, que avaliará a possibilidade de estender as regras mais simples para todo o mercado. “No ambiente do sandbox, esperamos que a experiência seja totalmente digital, com o uso de várias tecnologias para simplificar o uso e melhorar a jornada dos segurados”, destaca Fernando Rieche, gestor do projeto estratégico Sandbox na Susep. 

As seguradoras que entrarão em operação a partir dos projetos selecionados terão autorização temporária para atuação de 3 anos dentro do modelo Sandbox.

MAG Seguros é a única seguradora no sandbox e marca sua entrada no segmento de danos

A MAG Seguros é a única seguradora que tem uma insurtech aprovada no sandbox regulatório da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Afinal, o CEO, Helder Molina, um engenheiro que tem na veia inovação, foi um dos principais entusiastas da criação do sandbox, desde a gestão anterior da autarquia. “Estou muito feliz por várias razoes. A inovação faz parte da nossa vida. Uma seguradora centenária como nós só é longeva porque tem em seu DNA a inovação”, diz ele com grande emoção.  

“Outro motivo que me deixa muito feliz estar neste projeto é que nós, uma seguradora tradicional de vida e previdência, agora ingressa no ramo de danos, essencial para atender o leque completo das demandas dos consumidores. Temos a chance de entregar a ele tudo o que ele precisa, num modelo de on demand. Vai a praia no sábado e quer proteger o celular só neste período? Na MAG vai poder. E a partir do momento em que conquistamos este cliente com a necessidade que ele tem, ele vai querer outras ofertas”, disse o executivo ao blog Sonho Seguro. 

O projeto da MAG que foi aprovado pela Susep prevê atuação em duas frentes. Seguro de acidentes pessoais on demand por morte e invalidez acidental, considerando também ambas situações causada por crime, que terá indenização dobrada. Neste produto, com capital segurado de R$ 30 mil, tem assistência com reboque de carro, socorro mecânico, remocao de bike, reparo e check up de bike e táxi emergencial. 

O seguro residencial on demand oferece cobertura para danos elétricos e roubo/furto qualificado em residências próprias ou alugadas de uso habitual ou veraneio, com limite de capital segurado de R$25 mil. O cliente que adquirir o seguro residencial on demand poderá ser elegível à contratação de uma assistência 24 horas. Basta ele programar, no mínimo, 5 dias de cobertura e a assistência estará disponível a partir do terceiro dia. Caso o seguro não seja reprogramado, a elegibilidade à assistência será suspensa.

A assistência que acompanha o produto conta com diversos serviços acionados mediante sinistro e atendimento de urgência, entre eles chaveiro para acesso ao domicílio, limpeza residencial emergencial, serviços de segurança, transporte e guarda de mobiliário, bem como profissionais como encanador, eletricista, vidraceiro, dedetização, cobertura provisória de telhados, entre outros. 

No sandbox, 88i ganha a capacidade de subescrever riscos

Rodrigo Ventura é um dos executivos radiantes de ter o seu projeto escolhido pela Susep. Veja a seguir quais os próximos passos da 88i, segundo contou ele ao blog Sonho Seguro:

O que muda para vocês, estar na sandbox?

O que muda é que agora nós desenvolvemos a capacidade desenhar produtos de seguros, a partir das necessidades que os clientes tem para se proteger e manter o seu estilo de vida. Agora nós podemos personalizar! Outro ponto muito importante, é que a 88i ganha a capacidade de subescrever riscos, o nosso tempo de resposta para o mercado é muito maior. Nós conseguimos fazer testes AB, verificar aquilo que funciona e tem aderência. O propósito da 88i é democratizar o acesso a seguros, tornando seguros simples, intuitivos e 100% digitais.

Tem expectativa de crescimento?

A expectativa de crescimento da empresa é alcançar 50 milhões já no final do primeiro ano e seguindo um ritmo forte, para que a gente se torne uma seguradora completa antes mesmo do final do período de três anos do sandbox regulatório.

Fica mais fácil atrair capital?

Sem dúvidas, fica mais fácil porque além de ser uma empresa que está trazendo tecnologia e inovação para o mercado segurador, agora também com uma licença de seguradora, aumentam as possibilidades de transformação e disrupção do mercado e atuando num mercado regulado, essa licença faz bastante diferença no ponto de vista de oportunidades, para darmos acesso a pessoas que nunca tiveram acesso a seguro na vida. A gente pode trazer uma experiência bem mais simplificada e intuitiva. Sem letras miúdas.

Tem investidor no radar caso entrasse no projeto?

Existem investidores sim no radar, estamos em contato com alguns deles. Enquanto estamos em processo de negociação, não podemos dar mais detalhes, mas, a 88i está aberta a conversar com investidores que tenham interesse em participar deste processo de transformação do mercado de seguros.

Qual produto irá ofertar?

A 88i vai ofertar uma gama de produtos pensados nos profissionais liberais: motoristas de aplicativos, entregadores e todos os clientes que utilizam contas digitais. Pensamos nos produtos de seguro para telefone celular, acidentes pessoais, produto de assistência à saúde, perda de renda, impedimento ao trabalho, produto de automóvel e de bagagem, para delivery em aplicativos como uber e 99.

Emotion traz o conceito de seguros emocionais

Wladimir Chinchio conta que estar no sandbox possibilitará a insurtech Emotion operacionalizar as inovações que já tinham em mente. “O Sandbox nos entrega uma ambiente aberto para inovação, ter esta oportunidade será de grande valia para validarmos ideias que defendemos a bastante tempo. Como por exemplo a simplificação do processo de venda e de atendimento aos ao clientes. Estamos levando a simplicidade ao extremo, teremos um plano único, com única cobertura, isso facilita o momento de contratação, após a adesão o segurado pode mudar tudo pela app, qualquer alteração terá vigência imediata, pois nosso cálculo é por segundo”, contou ele ao blog Sonho Seguro. 

Além de poder aumentar ou diminuir a cobertura, o segurado poderá pausar o seguro, ou seja, teremos intermitência no seguro de vida. Além de todos esses aspectos técnicos, a insurtech traz um conceito novo, que é o conceito de seguros emocionais. “O segurado terá uma área na app, para guardar conteúdo (fotos, videos, documentos e áudios), registrar emoções que serão entregues aos beneficiários quando o segurado “virar estrela”. Esperamos com esse serviço, tangibilizar o seguro de vida”.

A expectativa é alcançar o limite de vidas já no segundo ano e a partir disso avaliar o pleito de uma seguradora full. Segundo o executivo, certamente fica mais fácil atrair capital.Sem dúvida a participação no Sandbox é um diferencial para novos investimentos’, disse. Neste momento não há um investidor na manga. “Mas tem muita gente interessada, até porque, esse ano também recebemos autorização de nossa fintech(www.numbrs.com.br) e nossa ideia é combinar essas duas ofertas”. 

Barranco: esperamos que os resultados transformem não só a nossa empresa, mas todo o setor

Para Flix, ser escolhida é ingressar em uma nova era, diz Felipe Barranco

Flix, primeira plataforma brasileira com foco exclusivo na venda de seguros e assistências residenciais, é uma das 11 empresas escolhidas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) para participar de seu Sandbox Regulatório. A partir de agora, a empresa poderá atuar, por até três anos, com menor custo regulatório e mais flexibilidade para inovar.

Fundada durante a pandemia por Felipe Barranco, Marcos Carneiro e Manoel Carlos Barranco, a Flix tem como propósito digitalizar, escalar e simplificar um produto autoral relativo à proteção imobiliária. E será justamente o seu seguro compreensivo residencial estudado nesta iniciativa. A empresa conta com dois parceiros em seu modelo de negócios, a Sancor, uma seguradora Argentina com base em Londrina, interior do Paraná, e a Tempo Assist, empresa de assistências residenciais, permitindo uma operação rápida e eficaz.

Segundo Felipe Barranco, CEO da Flix, essa é uma oportunidade que pode ajudar a democratizar todo o setor “Estamos muito felizes por participar deste Sandbox. Apesar de novos no mercado, sabemos que temos muito a oferecer em termos de tecnologia e serviços. Teremos mais autonomia, agilidade no processo de desenvolvimento de novos produtos e serviços e buscaremos sempre muita inovação, tudo isso para termos uma melhor precificação. Temos um plano de negócios estruturado para chegarmos a 1 milhão de clientes em até cinco anos. E esperamos que os resultados transformem não só a nossa empresa, mas todo o setor”, afirmou.

O ambiente experimental do Sandbox Regulatório é ideal para que as barreiras à inovação sejam derrubadas e o setor possa usufruir de produtos mais baratos e que os usuários tenham uma experiência melhor. Além de permitir a introdução de produtos e processos inovadores no mercado de seguros brasileiro, o Sandbox Regulatório é, também, um aprendizado para o órgão regulador, que avaliará a possibilidade de estender as regras mais simples para todo o mercado. 

Igor: agora, como seguradora digital, há autonomia e aumento do nosso potencial de crescimento, facilitando o desenvolvimento de novos produtos

Para Pier, sandbox traz autonomia para desenvolver novos produtos

A insurtech utiliza inteligência artificial para levar uma experiência única aos usuários, conquistou consumidores apaixonados ficando conhecida pela contratação mais fácil e os reembolsos mais rápidos do mercado. A empresa possui mais de 15 mil clientes na área de seguro de celulares e estreou no Seguro de Auto em  2020. 

Igor Mascarenhas, CEO da Pier, explica que a aprovação é um marco para a insurtech. “A diferença é que a Pier, antes, precisava de uma seguradora tradicional para subscrever seus riscos, atuando como parceira para ofertar seus seguros, e agora, como seguradora digital, há autonomia e aumento do nosso potencial de crescimento, facilitando o desenvolvimento de novos produtos. O consumidor é o grande beneficiado em muitos sentidos, pois temos mais agilidade para melhorar e criar novos serviços, reduzir o tempo de retorno do investimento e poder nos dedicar mais ao desenvolvimento da nossa tecnologia e ampliação do time. Além disso, o aumento da competitividade com novos players costuma beneficiar o usuário final”, explica.

A Pier está em uma fase de grandes transformações. “Como seguradora digital, o consumidor já vai perceber a expansão de oferta do Seguro de Auto, pois até o primeiro semestre de 2021 estaremos presentes em todos os Estados do Brasil. Até setembro, estávamos operando exclusivamente em São Paulo e Minas Gerais”, conta o CEO.

No Sandbox Regulatório, a Susep analisou os critérios: emprego de nova tecnologia, redução de custos para o consumidor, produto diferente do atual, produto escalável e possível de ser comercializado fora do Sandbox, experiência dos sócios, menores riscos ao consumidor e se o processo de contratação é simplificado. A Pier se classificou em todos os quesitos avaliados e com essa aprovação passará a operar como uma seguradora digital autorizada pelos próximos anos. 

A proposta do Sandbox é que a Susep, durante o período de experimentação acompanhe de perto as inovações desenvolvidas, avalie riscos e, em caso de resultados positivos, promova as mudanças regulatórias necessárias a fim de possibilitar o ingresso definitivo das novas tecnologias no mercado. A Pier conta com a experiência de Carlos Colucci, como diretor responsável do Sandbox e Head de Seguros.  

“O programa de Sandbox Regulatório, além de viabilizar o ingresso de players de tecnologia, também posiciona a Susep como um órgão regulador visionário, que acolhe as mudanças promovidas pelas insurtechs de forma sustentável e organizada”, afirma a advogada Bárbara Possignolo, responsável pelo jurídico da Pier.

Bárbara Possignolo explica que a seguradora digital e a seguradora tradicional são diferentes. “O foco do Sandbox Regulatório está em produtos massificados de curto prazo e, com isso, estão excluídos os segmentos de previdência, resseguros, grandes riscos e responsabilidade civil, por exemplo. Para serem selecionados, os projetos precisam ser inovadores, focados em tecnologia e redução de custos para o consumidor. Além disso, dentre os critérios de análise está a apresentação de produtos e serviços que possam ser comercializados em escala e que estejam prontos para entrar no mercado. A Pier se enquadra em todas as características, por isso foi selecionada”, conta a advogada.

A Pier foi selecionada para ser seguradora digital no Brasil principalmente por: 

  • Ter desenvolvido em dois anos uma comunidade de 15 mil clientes de seguro de celular e pago mais de R$ 5,6 milhões em sinistros, tendo registrado um recorde em reembolsar um sinistro em apenas 38 segundos, feito inédito no mercado brasileiro.
  • A Pier, por meio de uma relação próxima com seu cliente, deixa transparente todas as informações de cobertura e preço. 
  • A insurtech vende seguro com coberturas mensais, proposta que melhora a experiência do usuário em caso de necessidade de cancelamento ou durante a ocorrência de sinistros. Nas seguradoras que cobrem o risco anual, se o bem for roubado no início do contrato, o segurado tem descontado da sua indenização o valor integral do prêmio anual. Na Pier, o desconto é referente apenas ao mês contratado.
  • O processo de Underwriting, usando tecnologia, permite a análise de 6 mil variáveis (enquanto que normalmente, uma seguradora tradicional analisa 20), de cada cliente e preços competitivos. A Pier possui planos flexíveis para contratações em períodos específicos e sem carência.

Abaixo, a lista dos participantes selecionados (ordem alfabética):

​Projeto​Seguros a serem ofertados
​1​88i​Impedimento para o trabalho / perda de renda; acidentes pessoais individual; celular e outros; auto (casco); deslocamento de volumes/bagagem / objetos em circulação.
​2​COOVER​Animais domésticos (aplicação de vacinas, atendimentos ambulatoriais, cirurgias, consulta urgência e emergência, consultas de rotina, exames laboratoriais/imagens e internação).
​3EMOTION    ​Acidentes pessoais (morte acidental).
​4​FLIX​Compreensivo residencial.
​5​IZA​Acidentes pessoais (invalidez permanente total ou parcial por acidente, reembolso de despesas médico-hospitalares e odontológicas por acidente, complemento de diárias por incapacidade temporária por acidente. Cobertura adicional: funeral).
​6KOMUS    ​Celulares, notebooks, tablets, câmeras e outros aparelhos eletrônicos.
​7​MAG​Acidentes pessoais individual (morte acidental e invalidez permanente total por acidente, incluindo vítimas de crime; compreensivo residencial.
​8PIER​Celulares, notebooks, tablets, câmeras e outros aparelhos eletrônicos; automóvel (casco).
​9​SPLIT RISK​Automóvel (casco, acidentes pessoais de passageiros e assistência e outras coberturas).
​10​STONE​Compreensivo residencial; funeral (morte natural ou acidental); acidentes pessoais (morte acidental e invalidez permanente por acidente); patrimonial paramétrico.
​11THINKSEG​Automóvel (casco).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui