Base avançada*

*Matéria feita com exclusividade para o especial Seguros do Jornal Valor Econômico, que circulou dia 19 de outubro, Dia dos Securitários

A indústria brasileira atravessa uma fase movimentadíssima, com notícias de grande importância aparecendo regularmente nas últimas semanas. Na última, por exemplo, o Banco do Brasil anunciou interesse em comprar participação no IRB Brasil Re, ressegurador local e estratégico para todas as seguradoras do mercado.

Na semana anterior já havia anunciado parceria com a Mapfre na área de bens patrimoniais como automóvel, residência, empresas, rural, além de vida. Em agosto, Itaú Unibanco e Porto Seguro anunciaram a criação da Porto Seguro Itaú Unibanco Participações (Psiupar), considerado o negócio da década no setor.

“As circunstâncias são extremamente favoráveis para que o país concretize o tão sonhado Brasil do futuro”, diz o presidente da CNSeg, João Elísio Ferraz de Campos. O vento sopra a favor. Os fundamentos sólidos da economia são a base sem a qual o país não teria enfrentado a crise financeira internacional de forma tão positiva, dizem os analistas.

Não bastassem todas essas novidades, os executivos das seguradoras tiveram de correr para refazer as estratégias de 2010, uma vez que o Brasil será o anfitrião da Olimpíada em 2016 e da Copa do Mundo em 2014.

“Tantos investimentos vão gerar empregos e, com certeza, precisarão de proteção de seguros. Um ambiente propício para o crescimento das seguradoras”, comemora Patrick Larragoiti, presidente da SulAmérica.

Apesar do desafio de recuperar a receita perdida com o fim da parceria com o Banco do Brasil na Brasilveículos, Larragoiti está otimista com 2010. “Temos muitas oportunidades de negócios no Brasil a partir de agora.”

As seguradoras viram cair vários obstáculos que travavam o crescimento do setor, como a falta de renda da população, normas antiquadas, produtos ineficientes e caros e profissionais limitados pelas amarras do monopólio de resseguro (o seguro da seguradora).

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) se empenha em modernizar o arcabouço regulatório do setor. Mais de mil normas foram editadas nos últimos cinco anos, desde a obrigatoriedade de criar códigos de ética para os profissionais até a implementação da primeira etapa das normas de Solvência II, semelhante ao acordo da Basileia seguido pelos bancos em todo o mundo. “Esse esforço valeu a pena. As seguradoras brasileiras passaram praticamente ilesas nesta crise”, diz Armando Vergílio, titular da Susep.

Segundo ele, as companhias estão sólidas e capitalizadas para fazer frente ao crescimento esperado para o setor. Hoje, oferecem produtos diferenciados, com coberturas mais adequadas às necessidades do consumidor, contratos claros e preços acessíveis. Como prêmio pelos investimentos feitos na governança corporativa, deixaram de aparecer no ranking de reclamações dos órgãos de defesa do consumidor.

Projeções da autarquia e também das empresas sinalizam que o faturamento do setor crescerá 10% em 2009, para R$ 100 bilhões. Um resultado e tanto considerando que o PIB do país pode crescer 1%, se tanto, segundo as projeções divulgadas até outubro. Para 2010, as expectativas são de vendas 20% maiores diante de um PIB que poderá evoluir 5%.

O presidente do conselho de administração da Mongeral Aegon, Nilton Molina, acredita que, em uma década, o setor poderá responder por até 6% do PIB brasileiro, dobrando sua participação atual.

Para Marco Antonio Rossi, presidente da Bradesco Seguros e Previdência, os produtos de acumulação de recursos, como o VGBL, continuam impulsionando o crescimento do setor. “Mas os seguros de bens também apresentarão desempenho robusto, uma vez que a população hoje tem mais bens para segurar.” O seguro prestamista, que garante o pagamento da dívida em caso de morte do tomador, e os seguros de grandes riscos, em razão dos projetos de infraestrutura, também estão entre as vedetes do setor para 2010.

A crise mundial, além de aumentar a percepção da população aos riscos a que todos estão expostos e estimular as vendas, chamou a atenção dos bancos para o setor. Com a necessidade de recuperar a rentabilidade perdida com a queda dos juros, muitos banqueiros perceberam que o Brasil exibia uma indústria de seguro sólida e rentável, com produtos modernos e com grande potencial de crescimento. Resultado: os quatro maiores bancos – Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander – partiram para uma acirrada disputa na venda de seguros.

O que deixou os corretores e as seguradoras independentes atordoados. “A liderança está com quem negocia através do corretor de seguros, como Porto Seguro e Bradesco. O BB é outro que promete ter o corretor como parceiro. Vamos ver”, avalia Leôncio Arruda, presidente do maior sindicato de corretores de seguros, o Sincor, do Estado de São Paulo.

Bradesco e Santander apostam no setor há tempos. “Estamos bem preparados para o crescimento da economia, que beneficiará muito a atividade seguradora”, diz o executivo da Bradesco, líder do ranking de rentabilidade do setor e que participa com 30% do lucro do banco.

O Santander também vem há tempos desenvolvendo parcerias. Tanto que a seguradora do grupo passou de um market share de 1% em 2005 para 3% em 2008, diz Gilberto Abreu, responsável pela área de seguros dentro do banco espanhol que acaba de fazer a maior captação da história do mercado de ações do Brasil.

Sem poder falar de perspectivas futuras em razão do período de silêncio exigido após um IPO, o executivo diz que os R$ 14 bilhões captados estão previstos para as operações de crédito. “Nossa vantagem é trabalhar com três seguradoras na venda de seguro de carro (SulAmérica, Marítima e Tokio Marine), cada uma com duas opções de produtos.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui