companhias

Lucro da Mapfre recua 9,7% pelo aumento de indenizações pagas por catástrofes

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

A Mapfre divulgou faturamento de 27,9 bilhões de euros (R$ 101,6 bilhões) em 2017, aumento de 3,3% em relação ao ano anterior. Somente os prêmios de seguros superaram a cifra de 23,4 bilhões de euros (R$ 85,6 bilhões), com um crescimento anual de 2,9%. O resultado do grupo de 701 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões), indica uma redução de 9,7%, impactado de forma importante pelas catástrofes naturais ocorridas em 2017, que afetaram o resultado em 126 milhões de euros (R$ 458,8 milhões).

“Poucas companhias conseguiram absorver em seus resultados o efeito extraordinário das catástrofes naturais que tivemos no ano passado. Na Mapfre, assimilamos dois terremotos e três furacões ocorridos em diferentes locais do mundo. Fechar o exercício com um resultado superior a 700 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões) é uma demonstração de capacidade e solvência e da acertada estratégia que adotamos, baseada no crescimento rentável, que compensa esse tipo de situação excepcional”, destacou Antonio Huertas, presidente do grupo.

Foram destaques a boa evolução dos negócios na Espanha, assim como o excelente comportamento da atividade resseguradora, que mesmo com o impacto das catástrofes, gerou um resultado líquido de 163 milhões de euros (R$ 650 milhões) e um índice combinado de 94,8%.

O patrimônio líquido do grupo foi de 10,5 bilhões de euros (R$ 38,23 bilhões), apresentando redução em razão principalmente do impacto do câmbio decorrente das operações fora da zona do euro (696 milhões de euros, ou R$ 2,5 bilhões). Já os ativos totais do Grupo superaram os 67,5 bilhões de euros (R$ 245,8 bilhões).

O índice combinado situou-se em 98,1%, o que representa um excelente resultado técnico global. Sem os impactos das catástrofes este índice seria de 96,9% (0,5 pontos percentuais abaixo do ano anterior).

Na América Latina, o grupo aumentou seu volume de prêmios na região em 8,6%, totalizando 8 bilhões de euros (R$ 2,2 bilhões) em 2017. O resultado da operação somou 229 milhões de euros (R$ 833,8 milhões) na América Latina, ou seja 19% a mais que 2016. No conjunto, a área representa 34% dos prêmios e 32% dos resultados no mundo.

Toneto: Acreditamos que as diversas medidas de revisão técnica adotadas em nossa carteira de Auto e a melhora do cenário macroeconômico devem gerar efeitos positivos em nossos resultados locais em 2018

Já a atividade no Brasil cresceu 3,5% e gerou 4,5 bilhões de euros (R$ 16,6 bilhões) em prêmios, representando 20% das operações do Grupo no mundo. Os resultados somaram 128 milhões de euros (R$ 465,7 milhões), uma cota de 18,3% em relação ao resultado global. A redução de 11% nos resultados locais foi decorrente principalmente do aumento da sinistralidade na carteira de Autos e do menor volume de vendas no segmento de Vida do Canal Bancário.

“Acreditamos que as diversas medidas de revisão técnica adotadas em nossa carteira de Auto e a melhora do cenário macroeconômico devem gerar efeitos positivos em nossos resultados locais em 2018”, comenta Wilson Toneto, CEO da Mapfre no Brasil. O executivo destaca também a reformulação da parceria com a BB Seguridade, anunciada recentemente e em ainda curso. Segundo Toneto, a conclusão deste processo produzirá incremento da participação acionária da Mapfre nos seus negócios no Brasil, permitindo avançar para uma estrutura de governança mais simples e eficiente e reduzir os custos internos, com melhora importante da produtividade e da rentabilidade dos negócios. “Acreditamos no País e seguiremos investindo no Brasil”, conclui o executivo.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário