saúde

Canal Seguro: Ministro da Saúde defende a importância de regulamentar planos de saúde populares

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

O plano de saúde popular, que visa a oferecer coberturas básicas à população brasileira a preços acessíveis, segue necessitando de regulamentação. Um documento sugerindo a flexibilização do rol mínimo exigido pelos seguros saúde e o estabelecimento dos planos de copagamento, foi elaborado por um grupo de trabalho do Ministério da Saúde e encaminhado à ANS. É o que explica o ministro da Saúde, Ricardo Barros, em entrevista ao Canal Seguro, no YouTube.

“O objetivo é ampliar ao máximo a cobertura de planos à população para que a responsabilidade sobre o financiamento da Saúde seja dividida. Hoje, 55% do investimento é do setor privado e 45% do setor público”, esclarece Barros. Para ele, quanto mais brasileiros tiverem os planos pagos pelos respectivos patrões, patrocinadores ou por si mesmos, menor será a demanda de atendimento pelo SUS.

“Ou seja, quanto mais tivermos a cooperação de empresários financiando planos individuais aos seus funcionários, mais qualidade poderemos oferecer aos que dependem exclusivamente do sistema público de saúde. Inclusive, já solicitei à presidente da FenaSaúde, Solange Beatriz Palheiro Mendes, que encaminhe uma proposta de regulamentação à ANS”.

A dificuldade dos brasileiros em contratar planos individuais é um dos fatores que desacelera a ampliação do acesso ao sistema de saúde privado. “As empresas se afastaram dos planos individuais porque não estavam sendo remuneradas de acordo com os custos que têm. Isso porque o reajuste é regulado pela ANS e, como a inflação da Saúde é muito maior do que a inflação média do IPCA, é preciso que ele acompanhe os custos”, diz o ministro.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário