mercado

BMG Seguros fecha apólice de garantia de hidrelétrica do Pará para garantir BNDES

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

Release

A BMG Seguros, juntamente com as principais uma das principais instituições financeiras brasileiras e os desenvolvedores de projetos de infraestrutura, desenvolveram uma solução inovadora para desbloquear recursos que estão retidos em contas reserva em garantia de financiamentos concedidos. Hoje, cerca de R$ 2 bilhões estão bloqueados junto às instituições financeiras brasileiras, capital este que poderia ser utilizado pelas companhias para irrigar os seus caixas.

A primeira operação criada envolveu uma empresa de energia e conseguiu liberar um volume de recursos da ordem de R$ 90 milhões, que foram transferidos da conta reserva para a conta de movimento da empresa.

Ocorre que, num momento de baixa liquidez, esses recursos poderiam ser utilizados pelas empresas como capital de giro. Mas como manter a garantia exigida pelas instituições financeiras e liberar o dinheiro? A solução criada foi emitir uma apólice que garanta a integralização da conta reserva no caso de necessidade de sua recomposição para o pagamento das prestações dos financiamentos obtidos.

“É a primeira apólice emitida no mercado, para substituição de conta reserva” afirma Renata Oliver, diretora da BMG Seguros. “Este mecanismo pode ajudar as empresas a sair de um processo de descapitalização”. Para o presidente da BMG Seguros, Jorge Sant’anna, o aspecto inovador desta operação deve provocar mudanças significativas no mercado. “Estamos falando de uma apólice que desbloqueia recursos que estão retidos nas instituições financeiras e que podem ser investidos na capacidade produtiva das empresas”, diz ele.

“A estrutura do negócio contou com grande capacidade de resseguro internacional e demorou 10 meses para ser concluída”, explica Renata Oliver. O ineditismo da apólice é algo que coloca o mercado brasileiro de seguros em patamar diferente de arrojo e criatividade. “A coordenação entre a Seguradora BMG, o Tomador, as instituições financeiras e a corretora, foi fator fundamental na venda do risco junto ao mercado ressegurador internacional. Os principais resseguradores participantes mostraram apetite para avaliar novas operações que devem seguir o exemplo desta”, prevê o representante da corretora envolvida na operação.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário