companhias

Compliance está entre as prioridades das PMEs brasileiras, aponta pesquisa Zurich

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

A Pesquisa Global Zurich realizada no final do ano passado com o objetivo de entender o cenário das PMEs no Brasil e em mais 12 países (Suíça, Áustria, Alemanha, Irlanda, Itália, Portugal, Espanha, Turquia, Estados Unidos, México, Austrália e Hong Kong) traz dados muito interessantes sobre esse segmento que cresce de forma rápida no Brasil. Em sua quarta edição, a Pesquisa Global Zurich PMEs foi realizada em parceria com a GfK e entrevistou cerca de 2,6 mil executivos, sendo 200 deles no Brasil.

A falta de demanda do consumidor, excesso de estoque são hoje mais críticos do que no passado e ainda são os principais riscos para um negócio, segundo 35,5% dos entrevistados. O transporte e dados ao veículo de uma empresa vem como principal risco para 17,5% dos entrevistados, seguido por corrupção, com 15%, e condições climáticas imprevisíveis, com 14,5%. Falha por parte dos parceiros e fornecedores preocupam 12% dos entrevistados, bem como protestos e danos maliciosos foram considerados por 6,5% dos participantes do estudo

O destaque para o Brasil está no compliance. Assim como grandes corporações, os pequenos e médios empresários brasileiros passaram a demonstrar mais consciência em relação à transparência e o tema passa a ser pauta dos negócios. Essa foi uma das conclusões da pesquisa.

De acordo com a seguradora, cresceu a preocupação das PMEs brasileiras com a transparência da imagem de suas empresas e os eventuais riscos que a corrupção pode acarretar aos seus negócios. Os dados apontam que 15% dos entrevistados responderam que a corrupção é um dos principais riscos para suas empresas nos próximos meses, levando o Brasil ao topo deste ranking.

Ainda que “Corrupção” seja o 6º. risco apontado pelo empresariado brasileiro na Pesquisa – atrás de falta de demanda do consumidor, alta competitividade, incêndio, problemas relacionados a transportes e roubo –, quando observados os números dos levantamentos anteriores, nota-se uma clara tendência de crescimento desta preocupação. Na pesquisa anterior, 13,5% dos entrevistados apontavam o tema como um dos riscos. Em 2014, eram 10,5% e, em 2013, apenas 7,2%. Na média dos 13 países pesquisados, esta ainda é a 12ª preocupação. Em contrapartida, esta preocupação de 8% em 2013 para 14% em 2016.

Com a promulgação da Lei nº 12.846/2013, também conhecida como “Lei Anticorrupção” ou “Lei da Empresa Limpa”, a norma passou a representar importante avanço no combate a práticas ilícitas – não apenas dentro de grandes corporações – ao prever a responsabilidade objetiva de empresas pela prática de atos lesivos contra a administração pública nacional ou estrangeira. As pequenas e médias empresas nacionais também passaram a enxergar no compliance uma oportunidade de se organizarem em relação a prevenção de fraudes, segurança de informações, continuidade de negócios e lavagem de dinheiro.

Para Fernando Saccon, líder da área de linhas financeiras da Zurich, as PMEs perceberam que, além de contribuir para o gerenciamento interno, o compliance pode ser vantajoso para seus negócios ao indicar para seus clientes que a empresa está comprometida em atuar de forma transparente perante o mercado e sociedade. “Independentemente do tamanho da empresa, existem muitas regras e legislações a serem seguidas, como as das áreas contábil, tributária e TI, por exemplo”, explica.

O especialista da Zurich comenta ainda que, quanto menor a empresa, maior a dificuldade de implementação de normas e procedimentos, por isso cuidado na generalização da consciência do compliance e controles internos é fundamental para que a empresa consiga gerenciar seus processos internos. “Percebemos um grande aumento na procura por este tipo de serviço por parte das PMEs”, explica Saccon.

Como líder nessa área, a Zurich está atualizada em relação às leis de várias jurisdições locais. Isso significa que os gerentes de riscos e a C-suíte podem ter mais certeza de que o programa de seguros não as contrariará, desta forma, a empresa também atua prestando consultoria para empresas na área de compliance.

Pesquisa – Ao analisar em larga escala e de forma aprofundada um perfil específico de negócios – empresas com até 250 funcionários em tempo integral –, a Zurich objetiva elencar e compartilhar com o mercado informações sobre visão e expectativa das PMEs, de modo a colaborar com a tomada de decisões mais assertivas. “A pesquisa compara riscos de negócios e riscos de seguros. Assim, não mapeamos apenas o que é importante para o setor securitário, mas para o mercado como um todo”, afirma Walter Pereira, diretor de Varejo da Zurich.

Para chegar aos resultados, os líderes entrevistados foram questionados sobre as oportunidades, os riscos e expectativas para os 12 meses seguintes à pesquisa, realizada no segundo semestre de 2016. “Como uma seguradora de expertise internacional, a Zurich oferece ao mercado coberturas para os principais riscos apontados na pesquisa, mas a divulgação dos dados vislumbra mais do que oferecer produtos de proteção; nosso objetivo é compartilhar informações que possam ser estratégicas aos negócios”, comenta o executivo.

Realizada anualmente, a Pesquisa Global Zurich PMEs estabelece comparativos (em relação às edições anteriores e entre os países consultados) e aponta os rumos que os entrevistados pretendem dar aos seus negócios. No Brasil, participaram 200 PMEs.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário