Corretores

Apesar das dificuldades de 2016, JLT cresce com a conquista de novos clientes

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

O cenário para 2017 não é um dos mais animadores para quem atua em grandes riscos. “Foi um ano difícil para o mercado de resseguros, mas o grupo JLT manteve seu crescimento e tivemos boas surpresas na operação de seguros”, disse Rodrigo Protásio, CEO da JLT Re, que reuniu cerca de 100 parceiros de negócios em um elegante jantar no dia 13 de dezembro, em São Paulo. O evento contou com a presença do CEO da holding JLT no Brasil, Nicolau Daudt, e do presidente do conselho, Sérgio Clark, entre outros executivos do grupo.

Segundo convidados da JLT, a meta em termos de resultados é pelo menos empatar com 2016, um ano considerado ruim. Além da falta de negócios pela escassez de investimentos no país, os clientes estão reduzindo a compra de apólices. “Os clientes elevaram fortemente o valor da franquia dos contratos e reduziram significativamente o valor do prêmio”, disse Antonio Trindade, CEO da Chubb, a maior seguradoras neste segmento.

A situação política e econômica do Brasil também atrapalha a Swiss Re Corporate Solutions, que tem um limite de capacidade para o Brasil. “Ele está quase totalmente absorvido e a situação do país dificulta obtermos mais crédito para esse limite”, comentou João Nogueira Batista. No entanto, há investimentos no segmento. A BMG Seguros, que entrou no mercado de garantia em junho, com foco em judicial, afirma que se prepara para atuar em garantia de contratos, caso o projeto de lei seja aprovado com as mudanças sugeridas pelo setor.

O grupo inglês JLT segue otimista com o Brasil, onde atua com corretoras de seguros e de resseguros. “Vamos encerrar o ano com crescimento proporcionado pela conquista de novos clientes. Não demitimos e estamos investindo em várias frentes”, afirmou Rodrigo Protásio durante o jantar. “Apostamos na qualidade do atendimento como o principal diferencial em nosso negócio para seguirmos conquistando novos clientes e mantendo os já conquistados”.

O grupo finaliza o contrato de resseguro com uma grande usina eólica com a Sompo Seguros, com condições diferenciadas obtidas no mercado inglês. Também se orgulha do programa mundial no qual os executivos participam de um treinamento que tem como foco entender as novas gerações e assim aumentar o índice de retenção de jovens no quadro de talentos do grupo.

Entre os homenageados deste ano estavam Armando Vergílio, presidente da Fenacor; Farid Eid, CUO (Chief Underwriting Officer) da Sompo Seguros; e Vanderlei Moreira, gerente global de riscos e seguros da WEG. Na entrega dos prêmios, Protásio destacou a importância da parceria entre os vários agentes, nos mercados de seguros e resseguros. Também foram homenageados Bruno Camargo, CEO da FairFax; João Nogueira Batista, CEO da Swiss Re Corporate Solutions; Philippe Jouvelot, CEO da AXA; Jorge Sant’Ana, da BMG Seguros; Farid Eid, da Sompo Seguros; André Fortino, da BB e Mapfre; Renato Rodrigues, CEO da XL Catlin; e Bruno Freire, CEO da Austral.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário