capitalização

A Capitalização como incentivo ao hábito de poupar

Denise Bueno
Escrito por Denise Bueno

Fonte: CNseg

As empresas de capitalização podem exercer um papel fundamental para ajudar as pessoas a incorporarem o hábito de poupar. A afirmação é de Marcelo Neri, da FGV Social e EPGE, durante sua palestra “Poupança e Conexão com Capitalização”, no 1º Seminário Nacional de Educação em Seguros. O Brasil tem 56% da população com acesso a uma instituição financeira. No entanto, quando se analisa o volume de empréstimos, o percentual cai para 6% e apenas 10% tem poupança, índices abaixo da média mundial de 9% e 22%, respectivamente.
Desde o início da crise, segundo ele, o desemprego não pode ser o considerado o grande vilão da perda de renda, e sim a inflação. “Foi a inflação que tirou o poder de compra dos brasileiros nesta crise, segundo nossas pesquisas”, afirmou ele aos participantes do Seminário.

“A impaciência é um dos pontos chaves do baixo índice de poupança no Brasil”, disse. “Por isso, a educação financeira é um grande aliado a ajudar as pessoas a entenderem o benefício de controlar essa impaciência, como poder usar os recursos poupados para ter uma reserva para uma eventual emergência, que é a principal motivação para a poupança, segundo dados da pesquisa, com 51% das respostas.

De acordo com a apresentação, entre os principais motivos de poupança também está a compra de bens. Com boa parte da população sem acesso a crédito e taxas de juros altas, faz sentido fazer poupança para comprar um bem com um ganho financeiro. “Estou convencido de que os mais pobres têm uma propensão ao consumismo gigantesca”, enfatiza. Mas para eles serem mais sustentáveis no futuro, deveriam ser incitados a poupar. Uma operação de seguro ou de crédito é muito mais complexa do que a poupança por meio da capitalização, que é uma operação simples.

Disciplina financeira – A importância do segmento está em dar às famílias o sentido maior do habito de poupar, disse Marco Barros, presidente da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap). ‘É importante criar uma reserva finananceira. E o produto de Capitalização permite mitigar momentos de crise, como o que estamos vivendo hoje, uma vez que é criado um estoque financeiro, com o bônus de concorrer a sorteios”, enfatizou Barros em sua fala, durante o painel.

Para ele, a simplicidade do produto Capitalização é uma das razões que ajudam a educar a população para o hábito de poupar. Mas, mais importante que a simplicidade do produto, acredita Barros, é a punição de perder uma parte da poupança se sacar antes do fim do contrato que estimula a disciplina financeira do participante.

“Todo dia, 400 pessoas são contempladas por sorteio. É um circulo virtuoso. Pagamos e as pessoas colocam os valores na economia novamente. É o único segmento em que o sinistro é comemorado”, brinca o executivo. Dados recentes divulgados pela FenaCap indicam que as empresas do segmento distribuíram, juntas, R$ 699 milhões em sorteios entre janeiro e agosto de 2016, crescimento de 6,3% em relação ao mesmo período de 2015, e equivale ao pagamento de R$ 4,1 milhões em prêmios por dia útil no período.

Segundo ele, o segmento tem um papel fundamental na economia. “’É um instrumento importante para que inicie um processo de bancarização, para que as pessoas enfrentem crise financeiras momentâneas e tenham um futuro mais sustentável ao mudar a percepção de como as pessoas enxergam a poupança ao longo do tempo.

A jornalista Flávia Oliveira, que mediou o painel, citou pesquisa recente do Banco Central. Trata-se da terceira edição da Série Cidadania Financeira que revelou que mais de 70% da população brasileira faz uso frequente de uma conta bancária e, a maioria (63%) já poupou ao menos uma vez. Com relação à poupança, a pesquisa indica que os brasileiros, em geral, poupam de maneira conservadora: 48% disseram utilizar depósitos em poupança em instituição financeira e, 45%, guardam dinheiro sem buscar nenhuma rentabilidade, seja em casa ou em conta corrente. Os dados deixam claro a necessidade da educação financeira.

“Como viabilizar a educação para sair deste analfabetismo financeiro?”, indaga a jornalista. Neri sugere a educação financeira vinda dos próprios pais e também que a disciplina seja abraçada pelas escolas do ensino médio. Barros, por sua vez, afirma que todo canal é importante para difundir a educação financeira. Além da atitude familiar, a mídia é importante para ensinar o valor do dinheiro no tempo. Dado o tamanho do déficit de produtividade que o Brasil tem, esse processo de educação financeira um processo de muito longo prazo. “Tenho certeza de que no longo prazo as pessoas vão se conscientizar que elas terão de ter capital para ter qualidade de vida no futuro”.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário