corretora mercado

Willis Re lança fundo mundial de $400 milhões com foco em lucros cessantes catastróficos

Release

A Willis Re, divisão de resseguros da Willis Group Holdings plc (NYSE:WSH), empresa de consultoria em riscos globais, corretagem de resseguros, capital humano e benefícios, acaba de lançar um exclusivo fundo de resseguro na bolsa de valores de Nova Iorque com o objetivo de proporcionar a mais ampla proteção disponível para seguradoras contra perdas catastróficas e sistêmicas decorrentes de carteiras de seguro de responsabilidade civil.

Denominado PRIMO, o produto responde à crescente preocupação em torno do risco cumulativo e sistêmico em um momento em que as seguradoras têm registrado uma crescente exposição à responsabilidade civil: se por um lado a escala e diversificação maiores ajudam a gerenciar a perda esperada, por outro lado elas também ampliam as exposições sistêmicas inesperadas e o risco cumulativo em um mundo cada vez mais complexo e interligado.

“O PRIMO reúne mais de 25 anos de pesquisas e desenvolvimento contínuos desde o aprimoramento de seu precursor no final da década de 80. A Willis Re agora pode oferecer a seus mais diferentes clientes uma solução de resseguro experimentada e testada para protegê-los contra eventos de impacto que ocorrem em anos com muitos acidentes, criando pressão sobre as receitas trimestralizadas e representando um significativo desconhecimento em termos de quantum desde o momento em que o evento é constatado até que se torne um sinistro pago.”, explica John Cavanagh, Diretor Executivo da Willis Re.

Concebido para atender integralmente a todas as linhas de seguros de acidentes e profissionais, sendo inicialmente respaldado por 20 das maiores resseguradoras do mundo, esse novo produto global é pioneiro em cobertura de acidentes no setor, oferecendo mais de $400 milhões em capacidade de resseguro no mundo inteiro. Além disso, o PRIMO não só agiliza o processo de constituir o resseguro para lidar com a complexidade da exposição ao tail risk (riscos de cauda), mas também permite, por meio do consorciamento em sindicato, dar profundidade ao mercado, garantindo preços competitivos e resiliência ao longo de todo o ciclo.

“Se por parte dos contratantes os riscos decorrentes de terremotos, ventanias, inundações e outros riscos provocados pelo homem estão bem servidos pelos mercados de resseguro contra catástrofes patrimoniais, o segmento de riscos de acidentes a terceiros têm sido consideravelmente menos bem servidos. Os produtos convencionais de resseguro de acúmulo de sinistros podem responder bem a certos cenários de ameaça à remuneração dos trabalhadores, tais como acidentes industriais ou ameaça de terremoto, porém não foram concebidos para oferecer e não oferecem ampla proteção sistêmica. Agora, pela primeira vez, a proteção por resseguro contra catástrofes significativas encontra-se disponível, e a preços acessíveis, para subscritores de acidentes empresariais, incluindo todas as linhas de seguros financeiros”, finaliza Andrew Newman, Chefe da Divisão de Acidentes em Âmbito Global da Willis Re.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário