evento mercado

CNSeg lança a idéia de um Ministério de Seguros

jorge-hilarioMinistério de Seguros. Está foi a idéia lançada por Jorge Hilário, presidente da CNSeg, em seu discurso de abertura do XIV Conec, que acontece nesta manhã no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo. A idéia foi aplaudida pelos corretores que lotam o auditório principal do evento.

Segundo Hilário, a idéia vem de 25 anos, quando comandou o IRB e o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP). Quando o ministro da Fazenda, na época o grande Dornelles, me empossou nos dois cargos me disse que queria um ministro de seguros para comandar o crescimento da indústria”, relembrou.

A medida, na época, gerou a mudança da presidência do CNSP, passado a ser presidida por um membro do mercado, ou seja, o presidente do IRB, e não mais pelo Ministro da Fazenda. “Agora lanço o nome de Armando Vergílio, para ser o novo ministro”.

Segundo Paulo Santos, titular da Susep, caso a idéia de criação de um ministério não consiga emplacar no próximo governo, “desejo que pelo menos consigamos trabalhar juntos no planejamento do crescimento sustentável da indústria de seguros”.

Independentemente de Ministério, o fato é que a indústria de seguros cresce de forma acelerada, podendo dobrar de tamanho num curto espaço de tempo. “Temos um potencial muito grande e para crescermos como pretendemos será necessário criarmos uma aliança para mapear e vencer todos os desafios que temos pela frente”, ressalta Jorge Hilário.

Veja a seguir a íntegra do discurso do presidente da CNSeg.

São muitos os marcos na trajetória do seguro no Brasil em que a sensibilidade dos principais agentes do mercado para identificar as necessidades do consumidor foi decisiva e contribuiu para vislumbrar espaços de crescimento e a criação de produtos que agregaram valor ao seguro e melhoraram a performance do mercado. Um exemplo disso foi o que ocorreu com o seguro de automóveis, em que foi fundamental o papel do corretor de seguros para perceber as oportunidades de aperfeiçoamento do produto. Juntos, precisamos fazer o mesmo com o segmento Vida e com outras modalidades de grande relevância para o mercado.

Digo ‘juntos’ porque identificar as necessidades e levar segurança ao consumidor é função de todos nós, seguradores e corretores. Faz parte da missão da CNSeg promover o desenvolvimento do mercado visando ao atendimento das necessidades de coberturas securitárias das instituições, das empresas e dos cidadãos. Queremos ser um indutor do mercado, agregando valor para a economia, a sociedade e a opinião pública. É por isso que convoco as lideranças e proponho uma grande aliança, para elaborarmos juntos um planejamento estratégico para o setor.

Estamos diante de uma sociedade e de um consumidor cada vez mais exigentes. Para atendê-los, precisamos conhecer os interesses comuns entre os vários atores do mercado e trabalhar nossa estratégia de crescimento em cima das nossas convergências. Assim, nos tornaremos mais fortes para reconhecer e combater os inimigos comuns.

Essa aliança pode e deve se estender também aos órgãos reguladores. Devemos prestar bons serviços e ser vistos pelos reguladores como aliados, para que eles entrem atuando apenas para corrigir os eventuais desvios.
É por isso que convoco uma força-tarefa entre todos nós, agentes de seguro, no sentido de estarmos permanentemente focados nas necessidades do mercado e na proteção do consumidor.

Aqui e agora, estamos todos do mesmo lado e queremos o choque do desenvolvimento do mercado de seguros no Brasil.

Muito obrigado.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário