Uncategorized

Allianz disputa contratos da Copa 2014*

images11* a jornalista viajou para a Alemanha a convite da Allianz Brasil

Cinco dos doze estádios brasileiros que se preparam para a Copa de 2014 já estão praticamente com as apólices de seguros contratadas. As arenas de Brasília, Salvador, Manaus, Cuiabá e Fortaleza contam com apólices de garantia, de responsabilidade civil e de riscos de engenharia. “Estes são os contratos básicos de seguros que envolvem esta fase dos empreendimentos”, diz Angelo Colombo, diretor da Allianz Brasil, seguradora que tem conquistado vários contratos por ofertar valores elevados de cobertura e produtos inovadores trazidos da Alemanha, país sede da Copa de 2006.

“Falta apenas um detalhe para fechar com a Allianz o programa de seguro do estádio de Manaus”, contou Victor Renault, da Union Corretora de Seguros, corretora que tem a Andrade Gutierrez como principal cliente. O projeto do estádio conta com investimentos de quase R$ 500 milhões e a corretora negocia para o consórcio construtor o pacote das três apólices para iniciar a obra.

O estádio de Cuiabá, com investimentos estimados em R$ 430 milhões, que será totalmente demolido pela Mendes Júnior e Santa Barbara também conta com a Allianz entre as favoritas para garantir o seguro das três apólices. “Estamos quase finalizando o processo”, informou Ronaldo Rodrigues, da Crediunsurance, corretora cativa do grupo Mendes Junior, que utiliza a corretora JLT para todo o programa de seguro e de resseguro da construtora.

Os corretores tiveram a chance de ver de perto a experiência do grupo alemão durante visita a Munique, Alemanha, para participar do Encontro Brasil Alemanha 2010, realizado nos dias 30 de maio e 1 de junho. Os alemães demonstraram muito interesse em investir nos projetos brasileiros que envolvem a Copa 2014.

Segundo as palestras realizadas nos dois dias do encontro, a estimativa mais citada pelos palestrantes é de que a participação do investimento alemão pode chegar a 40% do valor total de US$ 50 bilhões previstos para projetos ligados a Copa e às Olimpíadas, considerando estádios e infraestrutura em geral. Dois grandes interesses das empresas alemãs são o fornecimento das coberturas das arenas e engenharia de segurança.

Além da agenda do encontro, o grupo convidado pela Allianz Brasil, patrocinadora oficial do Encontro Brasil Alemanha visitou o Allianz Arena, considerado um dos melhores estádios do mundo, localizado em Munich, sede do grupo alemão.

“Acompanhamos passo a passo o andamento da obra, o que nos dá grande experiência”, afirma Max Thiermann, presidente da Allianz, dentro do estádio que tem capacidade para 69 mil pessoas e que fica lotado em todos os jogos do campeão alemão Bayern, também acionista da arena juntamente com a Allianz e o TSV 1860. “E temos uma ampla capacidade e produtos diferenciados, o que nos facilita fechar negócios com nossos clientes”, acrescenta.

A seguradora alemã foi a primeira a fechar um contrato para a Copa 2014. Em fevereiro, emitiu a apólice do fornecedor de estruturas do Mineirão. “A Copa da Alemanha em 2006 trouxe muita experiência para a Allianz, o que nos traz muito conhecimento e produtos para conquistarmos clientes no Brasil”, diz Ricardo Zhouri, diretor comercial da Allianz responsável por várias regiões, inclusive Minas Gerais.

Nesses cinco estádios, Colombo acredita que os construtores comprarão o pacote de seguros composto por garantia, risco de engenharia e responsabilidade civil, concentrando em apenas uma seguradora. Já para outros estádios, como o do Morumbi, em São Paulo, Inter, em Porto Alegre, ou o Minerão, em Belo Horizonte, a compra de seguro será feita de forma diferente. “No Mineirão, por exemplo, acredito que a apólice contará com um pool de seguradoras, pois a obra necessita de um valor elevado de cobertura”.

“Tudo vai depender dos recursos dos investidores e se a líder do consórcio de construção tem uma corretora especializada para cuidar do programa de seguro”, diz. No caso da Odebrecht, por exemplo, que tem a corretora cativa OCS, a aposta é de que o seguro será comprado em pacotes e pulverizado em várias companhias dado o histórico do grupo em administrar um grande número de contratos.

Além de estar forte na disputa pelos contratos dos estádios escolhidos pela Fipa, a Allianz conquistou no início de junho o seguro garantia do estádio Kleber Andrade, em Vitória (ES), um empreendimento da construtora Blokos Engenharia. A apólice, contratada junto com a Correcta Corretora, tem valor do risco de R$ 100 milhões.

O estádio, com capacidade para 40 mil pessoas, será usado na Copa das Confederações e deverá estar pronto em 2013. Segundo explica Angelo Colombo, diretor de grandes riscos da Allianz, apesar de não estar entre os doze escolhidos pela Fifa, a arena servirá como um estepe, caso algum outro não fique pronto para o mundial.

O pacote de seguros para estádios conta com praticamente todas as coberturas que os construtores precisam para garantir o andamento da construção sem sustos. “Afinal, já estamos atrasados na construção e não podemos perder tempo na solução de imprevistos. Os riscos têm de estar mapeados e provisionados para garantir que tudo acontecerá dentro do cronograma, que já está apertado”, diz Colombo, referindo-se as declarações da Fifa de que o Brasil já deveria ter iniciado as obras.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário