mercado mudanças climaticas resseguro seguro seguros gerais sustentabilidade

Indústria de seguros avalia produtos sustentáveis*

neivalEnvolver governos, empresas e indivíduos em atitudes sustentáveis para se ter um mundo melhor do que aquele que cientistas têm projetado para 2100. Isso mesmo: 2100. Esta é a meta da indústria mundial de seguros, na qual o Brasil está inserido, segundo relato de profissionais reunidos no workshop “Mercado segurador e mudanças climáticas”, um dos debates realizados dentro do 3º Congresso Internacional sobre Desenvolvimento Sustentável, realizado em São Paulo entre 4 e 6 de agosto.

Como será o clima no fim deste século? “É difícil prever, mas já é certo que os efeitos do consumo desenfreado, sem cuidados com o planeta, tem causado sérias mudanças climáticas”, diz Eduardo Mario Mendiondo, professor da USP dedicado a estudos sobre mudanças climáticas.

Segundo ele, o futuro será definido pelas políticas governamentais, sejam elas na esfera federal, estadual ou regional. “Há quem possa optar por investir no avanço considerável do PIB do que por gastos para prevenir catástrofes decorrentes dos efeitos que a industrialização sem sustentabilidade traz ao planeta”, acrescenta o estudioso, com experiência em apresentações de diversos cenários futuros a governantes sobre os efeitos da falta de investimento ou mau uso principalmente dos recursos hídricos.

Até o Brasil, um país até pouco tempo atrás livre da ocorrência de catástrofes naturais, entrou no circuito de furacões. “De uma década para cá, era impensável alguém dizer que haveria a formação de um furacão no Atlântico Sul em razão das condições da temperatura do oceano ser insuficiente para fornecer umidade necessária para a formação deste fenômeno da natureza. E veja só o que aconteceu em 2004, o furacão Catarina, o primeiro formado no Atlântico Sul”, disse Carlos Magno, da Climatempo.

No mundo todo, o assunto começou a ser debatido mais fortemente há cerca de cinco anos, conta Suhnny Sehgal, especialista de seguros do HSBC na área de sustentabilidade, sediado em Londres. Como se adaptar às mudanças climáticas é tema de estudo de diversas seguradoras internacionais, reunidas na Geneva Association, um dos principais fóruns de debate internacional. “O número de desastres foi enorme nos últimos anos e continuará a crescer”, diz o executivo do HSBC.

Segundo ele, a previsão é de que os atuais US$ 20 bilhões em custos com desastres naturais causados pelas mudanças climáticas cheguem a algo entre US$ 80 bilhões a US$ 120 bilhões entre 2010 e 2020. “Um aumento de quatro graus na temperatura pode trazer problemas em todo o mundo, como o abastecimento de comida, por exemplo. Ou mesmo o desaparecimento de regiões, como a Malásia, com o derretimento das geleiras, ou o desenvolvimento de doenças com a proliferação de mosquitos”, exemplifica o especialista, enfatizando a gravidade do assunto. “Os impactos climáticos atingem a todos e não apenas um local ou setor específico.”

Neival Rodrigues Freitas (foto), diretor da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), informou aos presentes que o tema tem grande importância para as seguradoras. Até o ano passado, o assunto era um tema isolado tratado no âmbito de uma comissão da FenSeg. Como o assunto passou a ter uma relevância maior, principalmente com a abertura do resseguro, está sendo formada uma comissão no âmbito da CNSeg.

“Na FenSeg o assunto abordava apenas seguros gerais. Agora irá englobar os impactos das mudanças climáticas também nas áreas de saúde, vida, previdência e investimentos”, disse Freitas. Segundo ele, a intenção é trazer especialistas para debater o tema e atuar junto à sociedade no desenvolvimento de processos construtivos. “Este trabalho vai continuar para contribuir com resultados mais efetivos num curto espaço de tempo.”

Cláudio Contador, economista da Escola Nacional de Seguros, disse que há pouco estudo sobre as catástrofes ocorridas no Brasil, o que dificulta a ação das seguradoras na análise de risco e formação de produtos específicos. “Mas estamos convergindo para estudar o assunto e assim entender melhor o efeito que as mudanças climáticas podem ter na sociedade”.

Fernando Moreira, presidente do HSBC Seguros no Brasil, ressaltou a participação do grupo inglês em levar informação para a sociedade e desta forma contribuir para um mundo mais sustentável. “Há nove anos este assunto se tornou prioritário para o HSBC, que tem um fundo com mais de US$ 100 milhões para promover ações que visam entender e influenciar a comunidade, os governos e as pessoas na adoção de atitudes sustentáveis.”

Os países mais comprometidos com em adotar medidas “verdes” estão na America Latina, sendo o Brasil um dos principais. Segundo estudos patrocinados pelas seguradoras mundiais, há várias tendências para mitigar os estragos econômicos devastadores causados pela mudança climática.

A primeira é a necessidade de reduzir as emissões de carbono. Esta etapa está numa fase adiantada, mas ainda requer o esforço de todos. Os protocolos entre os países desenvolvidos preveem a redução de CO2 em 80% até 2050, sendo algo entre 25% a 30% até 2018. Há um grande esforço, como mostrou o aquecimento do mercado de negociação de carbono no primeiro semestre do ano. Mesmo com a crise financeira, o volume de negociações de emissões de gases poluentes subiu 124%, chegando a 4,1 bilhões de toneladas de dióxido de carbono na primeira metade de 2009, em relação ao mesmo período do ano passado, informou a Point Carbon, uma das mais renomadas consultorias internacionais de mercado de carbono.

Brasil, Índia e China, países onde o crescimento deverá ser mais acelerado nos próximos anos, têm papel importante neste processo. “O Brasil principalmente, por meio da proteção das florestas”, diz Sehgal.

Outra tendência, segundo o especialista do HSBC, é que as mudanças climáticas trazem uma nova gama de indústrias preocupadas em oferecer soluções, como energia renovável ou tecnologia para a construção de ferrovias. “A indústria de seguros pode beneficiar estas empresas com produtos diferenciados”, sugere. Também pode criar produtos para os consumidores preocupados com o planeta, como o seguro de carro que reverte parte dos prêmios para organizações voltadas a reparar os danos já causados.

Muitos podem achar as profecias longínquas, mas recentemente vimos uma amostra de que o “sertão pode virar mar”, com diz a letra da música Sobradinho, de Sá e Garabira. Em maio, Teresina, no Amapá, ficou totalmente debaixo d’água depois de quatro meses acumulando águas em seus rios.

Segundo o meteorologista da Climatempo, há estudos que mostram que este é um efeito do desmatamento de grande área da região oeste da Amazônia, que vem ocorrendo nas três últimas décadas. “Isto tem provocado um deslocamento das chuvas para o nordeste. O Rio Grande do Sul, por exemplo, tem sofrido com secas. Imagina o impacto disto na distribuição de riqueza de um País?”, questiona Carlos Magno.

Diante deste cenário, a indústria de seguros tem investido milhões de dólares em tempo e recursos para a realização de estudos que possam ajudar a mitigar os riscos de um crescimento embalado pelo consumo desenfreado. Além de ajudar na prevenção, traria uma redução da exposição a perdas do próprio mercado de seguros, bem como transformar este problema em oportunidade. Segundo um estudo do Ceres (www.ceres.org), uma rede de investidores e organizações dedicadas ao crescimento sustentável, há mais de 650 produtos que podem ser ofertados pela indústria de seguros.

*matéria feita com exclusividade para o site www.cnseg.org.br

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário