mercado seguro seguros gerais

Yasuda capitalizará Marítima em R$ 200 milhões

cahmmnu0cazgdhv8caicx84kcap6cybjcacdbq43ca5ftdvqcaufn8mpca1ig4kxcak7gvuycarge2n6casr5qokcais4d30cas3sv0lcaqynw0vcajd2xleca4y4jnvcaw4gavkcaqpii06cami1qwccazdyrx9catlrdr3caxdb2fpcayv5yuacaaps1iccaxl4xzecan5pj1vcabr5dj8ca7blthica6r0rnyca296rg2ca2tszbmca9w3e3ecalq227ycamwc8xbca737hbecapeay1dcabl4wgwcayozie4A Marítima Seguros divulgou hoje comunicado sobre o acordo de compartilhamento de seu controle acionário com a Yasuda Seguros. Segundo a nota, a associação, que depende da aprovação da Superintendência de Seguros Privados (Susep) e Agência Nacional de Saúde (ANS), mantém a independência operacional das empresas.

A Marítima será capitalizada em R$ 200 milhões pelo grupo japonês e fará oferta privada para aquisição das ações dos minoritários pelo mesmo valor por ação da capitalização, o que fará com que a operação atinja até R$ 336 milhões.

Várias foram as tentativas de estrangeiros e grupos locais para a compra da Marítima, uma seguradora independente, considerada uma das mais atualizadas em tecnologia e com um relacionamento sólido com os corretores de seguros. Foi por cinco anos sócia da americana Nationwide, parceria rompida em 2005. Depois disso, o grupo passou a analisar algumas parcerias propostas por grupos locais e estrangeiros. No entanto, a exigência da família Vidigal em manter o controle e o preço esfriavam as conversas com os vários candidatos.

Em 2007, no entanto, com a divulgação de novas regras de capital mínimo que começariam a valer em 2008, a capitalização da Marítima se tornou uma necessidade. Em março do ano passado, a Marítima fez um aporte de R$ 76 milhões para adequar a companhia as normas de exigências de capital mínimo da indústria de seguros. O grupo vinha tentando fazer IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) desde 2007. Com a piora do cenário externo para captações, optou pela emissão de bonds, estratégia abortada com o endurecimento da crise financeira.

A presidência da diretoria e do Conselho de Administração da Marítima Seguros continuarão a ser exercidas por Francisco Caiuby Vidigal e a Vice-presidência, por Francisco Caiuby Vidigal Filho. A nota diz que a companhia manterá os diretores estatutários e agregará dois novos diretores, também estatutários, indicados pela Yasuda. O Conselho de Administração será compartilhado entre a Família Caiuby Vidigal e a Yasuda, com três conselheiros cada uma.

A Marítima, que por cinco anos teve uma parceria com a americana Nationwide na área de vida, contará agora com o know-how internacional em seguros do Grupo Sompo Japan, através da Yasuda Seguros.

O J.P. Morgan atuou como assessor financeiro da Marítima Seguros S.A. e Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados atuou como assessor jurídico.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário