Uncategorized

Resseguro mais caro nos EUA, Europa e Japão

42-16394437O temor das resseguradoras com as catástrofes, em um momento que precisam recuperar capital perdido com a crise financeira global, é latente. Prova disso é o aumento de taxas verificado nas renovações ocorridas em abril, o segundo período de maior renovação do ano depois do mês de janeiro.

Segundo estudo da Aon Benfield, as taxas de resseguros de catástrofes para riscos patrimonais no Japão tiveram aumento de 10% e índices menores em outros países. Boa parte do incremento veio em razão da valorização da moeda japonesa, acarretando maiores volumes segurados e, conseqüentemente, um risco maior para as companhias.

De acordo com o estudo “Reinsurance Market Outlook” da Aon Benfield, na Europa os preços aumentaram por volta de 5%, em razão principalmente da preocupação dos resseguradores com as enchentes. Nos EUA os resseguradores aguardam como ficará a participação do Estado no socorro a vítimas de furacões. Há previsão de US$ 18,5 bilhões em um fundo para catastrophes controlado pelo estado da Flórida, o mais afetado por furacões nos últimos anos. A demanda de resseguros nesta região dependerá da regulamentação final deste fundo.

Segundo estudo divulgado pela Guy Carpenter, corretora de resseguros do grupo Marsh McLennan, os programas nacionais de seguros apresentaram alta entre 10% e 14%, acima da média de 11% verificada nas renovações de janeiro. A corretora acredita que as taxas continuarão aumentando em razão da escassez de capital com a crise financeira.

A Willis Re também detectou aumento nas taxas de renovação de contratos de riscos patrimoniais nos Estados Unidos em abril. As taxas de programas de catástrofes foram classificadas em “hardening market”, ou seja, aumentos acima de 10%. Nas taxas regionais de seguros, o estado do Texas foi o que registrou maior aumento. Em responsabilidade civil, as taxas seguem o mesmo ritmo das perdas apresentadas pelos segurados. Aqueles com sinistros elevados, pagam mais. Os que gerenciam melhor seus riscos, pagam menos.

Os estudos podem ser consultados gratuitamente nos sites das respectivas corretoras.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário