grandes riscos internacional resseguro

Miller disputa contratos no Brasil

A crise mundial intensificou o fluxo de estrangeiros interessados no mercado de seguro e resseguro no Brasil. Desde o início do ano passado, o vai e vem de estrangeiros no eixo Rio-São Paulo tem sido intenso. Nesta semana, quem visita o País é Graham Clarke, presidente e CEO da Miller Insurance Services Limited, sócia da Miller do Brasil Corretora de Resseguros. 

Segundo Clarke, a tendência de preços de resseguro é de alta no mercado internacional, uma vez que as seguradoras e resseguradoras precisam recuperar perdas em ativos e investimentos causadas pela crise financeira. Além disso, diante da crise financeira internacional, haverá menos oferta de capacidade por parte dos resseguradores. No Brasil, o comportamento do preço do resseguro dependerá também da qualidade das informações sobre o risco para que este possa ser vendido no mercado internacional.

O mercado internacional sofreu perdas significativas em 2008 com a volatilidade dos mercados acionários. “Agora precisa recuperar capital. Isso quer dizer que temos menos capital disponível e uma seleção mais rigorosa nos riscos”, diz Marcio Correa, CEO da Miller Brasil. O setor de seguros já acumula perdas superiores a US$ 80 bilhões com as catástrofes naturais ocorridas em 2008. “Já o Brasil tem o privilégio de estar fora do circuito das grandes catástrofes naturais. Tem também os maiores valores segurados do mundo em alguns contratos pelos investimentos que estão sendo requeridos pelo dinamismo de sua economia”, acrescenta.

A Miller tem escritórios em 8 países e também é uma das mais importantes corretoras de resseguros dentro do Lloyd’s of London, desde 1902, conhecido como o principal mercado mundial de seguros há mais de três séculos, por agrupar em um moderno prédio na City de Londres as principais empresas da indústria.

No Brasil, a Miller Insurance está presente desde 1999, quando tinha apenas um escritório de representação. Três anos depois, com a entrada do executivo Dario Guarita, a parceria foi concretizada em sociedade. “Nosso grande diferencial está no desenvolvimento de coberturas de resseguros adequadas e diferenciadas, o que nos faz sermos reconhecidos pela constante inovação”, diz o CEO da Miller do Brasil, uma das 25 corretoras de resseguros já autorizadas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep).

No Brasil, o grupo atua no desenvolvimento de resseguros para contratos de energia, petróleo e gás, marítimo, construções, riscos patrimoniais, transporte de valores e acidentes pessoais. Há muitos projetos em andamento no Brasil. Apenas o governo brasileiro tem no orçamento de 2009 cerca de R$ 21 bilhões para obras e projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). “Para garantir a sustentabilidade desses projetos é vital ter um contrato de resseguro bem desenhado e distribuído em resseguradores sólidos. E é isto que sabemos fazer”, diz Dario Guarita, sócio da Miller do Brasil.

Entre os negócios de maior relevância negociados pela Miller destacam-se as seguintes apólices: trechos do Metrô de São Paulo, obra da Calha do Tietê, aeroporto Santos Dumont no Rio de Janeiro, várias hidrelétricas de grande porte, rodoanel de São Paulo, grandes riscos industriais no segmento de Energia e Petroquímica, Jogos Panamericanos do Rio em 2007. Outras áreas onde a corretora atua estão relacionadas às operações de Vida e Saúde, Transporte de Valores e Obras de Arte. Foi a Miller quem colocou os riscos referentes às relíquias da Exposição 5 Mil Anos de Civilização Chinesa, realizada na Oca, em São Paulo.

A Miller Insurance foi fundada em 1902, tendo sua origem nas operações de seguros marítimos. Hoje é uma das maiores corretoras de P&I (Protection and Indemnity) do mundo e a número um do ranking entre as corretoras de capital fechado do Reino Unido. No ano passado, obteve prêmios de US$ 2 bilhões. Seu patrimônio líquido totalizava US$ 47 milhões em dezembro de 2008 e suas receitas somaram US$ 124 milhões.

Além do Reino Unido, opera nos Estados Unidos, Austrália, Espanha, Japão, Malásia, China, Tailândia, Bermudas e no próprio Brasil. Adicionalmente tem escritórios de representação em vários outros países. Tendo como holding a Miller Insurance Investments Limited, emprega 450 empregados no Reino Unido onde adota um modelo único de relação empregatícia que foi iniciado em 1983 e denominado Employee Trust. Esse modelo protege a empresa contra qualquer alternativa de venda indesejável e garante que boa parte dos lucros seja destinada para o desenvolvimento do próprio negócio, sendo o excedente distribuído a todos os funcionários.

Sobre a Autora

Denise Bueno

Denise Bueno

Denise Bueno sempre atuou na área de jornalismo econômico. Desde agosto de 2008 atua como jornalista freelancer, escrevendo matérias sobre finanças para cadernos especiais produzidos pelo jornal Valor Econômico, bem como para revistas como Época, Veja, Você S/A, Valor Financeiro, Fiesp, ACSP, Revista de Seguros (CNSeg) entre outras publicações. É colunista da revista Apólice, especializada em seguros, e também do SindSeg-SP. Escreveu artigos diariamente sobre seguros, resseguros, previdência e capitalizacao entre 1992 até agosto de 2008 para o jornal econômico Gazeta Mercantil.

Deixar um comentário